Interessa-me os contrastes, as misturas e hibridações, do velho com o novo, do pesado com a leveza, do sagrado com o profano.
Simone Bernardi

Clique para ler texto 

Trans-tempo – Museu Julio de Castilhos

Peças do Museu Julio de Castilhos ganham uma releitura através do trabalho dos artistas plásticos Simone Bernardi e Carlos Wladimirsky. O resultado pode ser conferido na exposição TRANS-TEMPO, que tem abertura no dia 29 de maio, às 19h. A mostra permanece no museu até 28 de junho, de terças a domingos, das 10h às 17h, com entrada gratuita.

Simone Bernardi desenvolve a técnica da montagem como sobreposição de tecidos através do processo de recolhimento de diversos materiais velhos e novos, onde utiliza procedimentos como oxidação, pintura e bordados. Os conceitos envolvidos estão em torno da marca, da passagem do tempo e do comum ao cotidiano feminino. Simone se interessa pelos contrastes, pelas misturas e hibridações do velho com o novo, do pesado com o leve, do sagrado com o profano. Para essa exposição, a artista escolheu dois vestidos de noiva, um branco de renda e outro negro.

Carlos Alberto Wladimirsky é pintor, gravador, desenhista e performer. Ingressou no curso de arquitetura da Universidade do Vale do Rio dos Sinos em 1975. Em 1978, ano em que conclui o curso superior, estudou gravura com Eduardo Cruz. Entre 1978 e 1981, dirigiu filmes Super-8, peças de teatro e performances. Em 1980, frequentou o ateliê da pintora Laura Cesana, em Lisboa (Portugal). Para a exposição TRANS-TEMPO, se baseou em peças e adornos indígenas para criar desenhos onde utiliza formas de colares e transforma em signos plásticos.